O Acidente Vascular Encefálico visto por um fisioterapeuta

O Acidente Vascular Encefálico é conhecido como “derrame”, AVC (Acidente Vascular Cerebral) ou também por AVE (Acidente Vascular Encefálico). Os nomes são diversos mas tecnicamente é um único acontecimento.
Acidente Vascular Encefálico (AVE) ocorre quando uma região do cérebro fica sem aporte sanguíneo. Esse processo pode ocorrer por dois eventos distintos:           quando uma veia ou artéria se rompe causando AVE hemorrágico ou quando há  uma obstrução da passagem do sangue dentro de um vaso ou artéria levando a um AVE isquêmico.
Esses acontecimentos ocorrem pela formação de um trombo (coágulo), que se desloca na corrente sanguínea até chegar ao cérebro ocasionando o AVE.  O coágulo normalmente é formado nas pernas devido à má circulação do sangue nos membros inferiores.
 Em ambos os casos, quando uma área do cérebro fica sem receber o oxigênio transportado pelo sangue arterial ocorre morte das células constituintes do cérebro, os chamados neurônios.
Essas células não são como as células da pele que morrem milhões por dia e são rapidamente repostas. Os neurônios mortos não são substituídos e com isso existe o que chamamos de sequelas de um  AVE.  As sequelas vão depender da extensão do cérebro acometido pelo AVE. Quanto maior a extensão, maior o dano.
 Os efeitos do AVE podem ser perda de um movimento de um membro (braço ou perna), dois ou mais membros (duas pernas, uma perna e um braço ou dois braços e duas pernas), perda da fala, a boca pode fica “torta”, perda da visão, entre outras consequências.
Para minimizar ou eliminar os efeitos do AVE o paciente deve ser acompanhado o quanto antes por um fisioterapeuta.  Esse profissional da área da saúde tem capacidade técnica de atuar com o paciente para restabelecer suas condições físicas como: a marcha (caminhada), equilíbrio, força dos músculos, sensibilidade, tato, pressão e propriocepção.
A resposta para o tratamento fisioterápico depende da motivação do paciente, da idade, do tempo para iniciar o tratamento, da extensão da lesão cerebral, dentre outros fatores.

É muito importante saber as principais causas do AVE. Dentre elas podemos enumerar:

         1-    Tabagismo;
         2-    Uso excessivo de álcool;
         3-    Diabetes;
         4-    Constituição genética (a composição das paredes dos vasos são fracas);
         5-    Obesidade;
         6-    Uso de anticoncepcional;
         7-    Sedentarismo;
         8-    Estresse;
         9-    Hipertensão Arterial;

 Alguns problemas secundários causados pelo AVE podem ocorrer e devem ser tratados pelo fisioterapeuta, pela equipe de saúde que acompanha o paciente e pelos familiares, como as infecções urinárias por repetição, as feridas (úlceras de pressão) e os problemas emocionais.
Muitas vezes esses problemas são desenvolvidos porque o paciente passa muito tempo acamado ou sentado em cadeira de rodas ou poltronas, além do uso excessivo de fraldas e também um relaxamento com a higiene pessoal do paciente.
A melhor forma de prevenção desses e de outros males da vida moderna é a manutenção de uma alimentação saudável, atividade física, redução na ingestão de álcool, realização de consultas médicas e exames periodicamente e não fumar.
As técnicas fisioterápicas e o conhecimento das doenças vêm sendo aprimorados a cada dia, trazendo cada vez mais respostas satisfatórias aos pacientes em um menor espaço de tempo. Mas todas as pesquisas e estudos mostram que ajuda da família nesse momento é muito importante elevando a autoestima do paciente.